O que é a cirurgia minimamente invasiva?

O que é a cirurgia minimamente invasiva?

A palavra cirurgia já fez muita gente tremer de medo, porém, esses procedimentos, em grande parte, estão cada vez mais facilitados devido ao avanço tecnológico e novas técnicas menos invasivas e mais assertivas. 

O avanço da tecnologia tem favorecido muito a medicina, prova disso são as cirurgias minimamente invasivas que, apesar de terem surgido nos anos 80, estão evoluindo de forma muito significativa nas últimas décadas. 

Presentes em diversas especialidades, essas técnicas ainda geram muitas dúvidas por conta de sua amplitude que vai dos procedimentos mais simples aos mais complexos. Pensando nisso, trouxemos um artigo para sanar boa parte das dúvidas acerca do assunto. Acompanhe: 

O que é cirurgia minimamente invasiva?

O termo cirurgia minimamente invasiva se resume a algumas técnicas e procedimentos diagnósticos que basicamente reúne alta tecnologia como fibras óticas, monitores, microcâmeras e incisões mínimas (chegam a, no máximo, meio centímetro) 

A evolução da tecnologia aliada à medicina tem tornado diversos processos mais práticos, seguros e, como o nome mesmo diz, menos invasivos.

As câmeras de alta resolução mais modernas, por exemplo, oferecem aos cirurgiões uma visão detalhada do campo cirúrgico e não só isso, elas maximizam a iluminação e minimizam qualquer chance de erros e falhas independentemente de sua localização.

Existem inúmeros tipos de cirurgias minimamente invasivas e elas estão em diversas especialidades. 

Cirurgia minimamente invasiva na ortopedia

Como citamos acima, os procedimentos minimamente invasivos já estão disponíveis em inúmeras especialidades. Na ortopedia não é diferente, essas técnicas já facilitam, e muito, os procedimentos por aqui. 

Os mais comuns exemplos de cirurgia minimamente invasiva realizadas na ortopedia são:

  • Artroscopia
  • Infiltrações articulares
  • Radiofrequência
  • Robótica
  • Endoscopia
  • Cirurgias de pés

Na ortopedia são muito utilizados para tratar:

Coluna

  • Hérnia de disco lombar;
  • Hérnia de disco cervical;
  • Estenose cervical;
  • Estenose lombar;
  • Espondilodiscite; 
  • Tumores; 
  • Coccidínia. 

Tornozelo e Pé

São alguns dos problemas que podem ser tratados com as técnicas minimamente invasivas na região dos pés e tornozelos:

  • O Hálux valgus (Joanete),
  •  Rotura do tendão de aquiles,
  •  Artroses,
  •  Tendinites
  •  Fraturas por impacto

Ombros, cotovelo e mãos 

A  artroscopia pode ser utilizada para o reparo dos tendões do manguito rotador no ombro e também em reparos nos cotovelos e punhos. As infiltrações articulares são outros procedimentos minimamente invasivos aplicáveis nesses membros superiores.   

Quadril 

Artroscopia de quadril, radiofrequência e infiltração articular com ácido hialurônico. Esses tratamentos podem ser utilizados em nervos sensíveis e lesões diversas como a síndrome do impacto.   

Joelho

O procedimento robótico proporciona rapidez e precisão no posicionamento dos implantes de joelho. Além da Artroscopia, os joelhos podem receber infiltração guiada por ultrassom e artroplastia.

Principais benefícios da cirurgia minimamente invasiva

A principal característica dos procedimentos minimamente invasivos é também seu principal benefício, ou seja, uma menor agressão aos tecidos já que os cortes são mínimos. Isso também favorece um pós operatório mais leve e uma recuperação mais rápida com menor chance de problemas estéticos ao paciente.

Confira os principais benefícios das cirurgias minimamente invasivas: 

  • Menor sangramento
  • Processo inflamatório reduzido
  • Menos dor
  • Redução nas cicatrizes
  • Tempo de recuperação pós-operatório menor